domingo, 4 de setembro de 2011

Julgamentos...


Às vezes, em nossa vida, muitas coisas acontecem sem ter explicação.
A filosofia do "Cavaleiro Solitário" não pode ser mais aplicada. Nós vivemos em sociedade, principalmente num país capitalista neo-liberal emergente. Simplesmente não podemos virar a cara para o mundo e matar todas as bolas no peito. Sempre teremos de contar com o auxílio de alguém mais perito do que nós, principalmente porque será a certeza do serviço pronto.
Pode não ter muita coisa coerente aí - realmente não tem - mas o ponto que quero chegar é outro...

A coisa mais difícil a se fazer neste mundo é não julgar o próximo. A todo momento estamos julgando as atitudes de nossos amigos, vizinhos, desafetos e por aí vai. Julgamos as atitudes de nossas esposas, filhos, pais e mães... E nada é mais constrangedor quando quem julgamos passa a nos ajudar... simplesmente de graça... sem pedir nada, sem cogitar absolutamente nada.

Daí vem a nossa mente, aquele subconsciente maldito que a todo momento tenta nos derrubar. Ele formula nossos julgamentos e no momento seguinte, que tomamos consciência do que estávamos fazendo, ele simplesmente inverte os papéis: "Eu só estou a seu serviço, senhor!"

Não venho tentar passar nenhuma lição de moral ou de conduta. Mas se gastarmos nosso tempo produzindo algo ao invés de pararmos para julgar os outros, vamos ver o quanto ganhamos de tempo ao invés de perdê-lo.

Julgar as pessoas é muito mais fácil do que não julgá-las!

Nenhum comentário:

Postar um comentário